Por que? (Elianete Vieira)

Porque algumas coisas são simples, fáceis, belas,
Enquanto outras parecem complicadas, distantes, sem sentido?
O que tanto gostamos nos parecem livres, soltas, parte de nós.
O que ainda não sabemos, não vivemos, é cinzento, amargo, bicho papão.
É preciso apoio, aprendizado, luz para enxergarmos melhor
Reconhecendo que o monstro é pequeno e colorido.
A vida pode ser bela ou sombria dependendo do angulo e da luz,
Alem do referencial olhado.
O capim do pasto vizinho é sempre mais verde.
O outro tem mais sorte, nasceu virado para a lua.
Mas qual? A cheia ou a minguante?
Só o dono dos pés conhece seus calos.
Só o travesseiro sabe quanto tempo temos para dormir.
Amanhã tudo recomeça.
Porque as palavras rodeiam tanto a mente e quando o lápis apoia no papel elas se recusam a fluir?
Porque o amor renasce a cada esquina mas não cai no meu telhado?
Porque a vida floresce apenas no jardim sem sombra e água fresca?
Sonhos. Projetos. Ideais. Busca. Conquistas. Quedas. Choros. Risos.
Vida. Morte

Elianete Vieira

Esse post foi publicado em Prosa, Versos e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Por que? (Elianete Vieira)

  1. Inacio Carreira disse:

    Por quê? Por que tanto lugar comum?

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s