A festa de Wilfred (Sônia Pillon)

Os portões do Parque Municipal de Eventos se abriram. Era a primeira noite da Schützenfest, a tão esperada festa de outubro de Jaraguá do Sul. Era o momento máximo em que os alvos e a tradição do tiro passa a atrair os visitantes. Integrantes dos clubes e sociedades de tiro que resgatam a cultura trazida pelos exímios guerreiros e caçadores germânicos estavam todos lá. Garbosos em seus trajes típicos, com o peito estufado de orgulho e emoção, eles desfilavam e acenavam para a plateia, segurando bandeiras. Eles ostestavam faixas e medalhas.

Alguns sorriam e respondiam os chamamentos dos parentes e amigos, outros se mantinham solenes. Majestades do tiro e da beleza, eles eram seguidos pela banda alemã.

No palco do pavilhão principal estavam as autoridades e aqueles que nos bastidores prepararam a solenidade, com cobertura da imprensa catarinense. Até um canal vindo especialmente da Alemanha apareceu para conferir o que aquela cidade, encravada em um vale no Sul do Brasil, era capaz de fazer. Eles faziam um documentário para mostrar o que os descendentes dos imigrantes, que há dois séculos atravessaram o oceano para criar o Novo Mundo, foram capazes de empreender.

Em meio à rainha e às princesas, o sorridente personagem “Wilfred” esbanjava simpatia, sempre segurando a arma que, ao contrário do que inicialmente se poderia imaginar, só buscava atirar em cheio na alegria, levando a concórdia e a confraternização durante os 11 dias da festividade.

Um documento pela autoridade máxima do município foi assinado e lido. Era de para as majestades e todos os demais presentes, decretando que a partir daquele momento, apenas a alegria, o o entretenimento e o entendimento deviam imperar.

Ao circular pelos pavilhões, Wilfred observava os atiradores dos estandes de tiro, de artesanato, os deliciosos pratos da culinária típica germânica, assim como os boxes de batata recheada, crepes, do tão procurado chope gelado…

Casais de todas as idades rodopiavam na pista de dança, enquanto outros pulavam e seguiam a coreografia comandada pela banda… Wilfred olhava tudo e mantinha o permanente sorriso enquanto percorria os pavilhões, sempre muito festejado pelos participantes. Ele prometeu para si mesmo que iria distribuir alegria durante todo o decorrer da Festa dos Atiradores de Jaraguá do Sul!

Esse post foi publicado em Prosa e marcado , , , . Guardar link permanente.

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s