Mar (Thiago Daniel)

Ela pousou os joelhos mascados pela artrite

Cobriu seus pés cheios de areia

A colcha

de três gerações

 

Pensou na infância

os tapas das ondas

nos quadris

o beijo

no primeiro namorado

o filho

do único marido

o cesto de roupas no ombro

o pássaro roubando peixe

a ruga nos olhos do filho

que aos sete pediu um irmão

do pai falecido

 

Um sorriso brotou da lágrima

E quando o céu encheu de flores

Fez-se mar

Esse post foi publicado em Versos e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Mar (Thiago Daniel)

  1. Dolorosamente lindo

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s