Aproveitando-se do caos (Patrícia Grah)

Inicio esta crônica filosófica ressaltando os últimos acontecimentos em nossa região. Enchentes, alagamentos, pessoas desabrigadas de um lado, comerciantes gananciosos e aproveitadores de outro.

 Penso neste fato e a primeira coisa que me vêm à mente é a palavra HUMANO. Afinal, o que é ser humano?

Segundo o dicionário, – O termo humano utiliza-se também como adjetivo com o significado de bondoso ou generoso, compreensivo ou tolerante.” (fonte: http://www.significados.com.br)

Mas, bem honestamente, é isto que estamos sendo? Será que em determinados momentos não estamos nos comportando como os animais, que brigam por alimento, pelo par, pelo espaço, tudo isto agindo de forma bruta e irracional?

Só pra refletir.

Fui informada de que em uma cidade vizinha atingida pela água, comerciantes estão cobrando R$ 24,00 por uma bambona de água – que normalmente não passa dos R$ 7,00. Estão vendendo pão francês pela “mixaria” de R$ 22,00 kg. E por ai vai, nem quero saber a exploração na alimentação básica.

Penso eu, que este seria o momento e a oportunidade de estarmos nos ajudando, de termos compaixão pelo próximo e não medir esforços – físicos ou financeiros – para contribuir com quem não teve muita sorte, mas não, ao invés disto nos deparamos com situações como esta, onde quem já perdeu o que tinha, se obriga a pagar preço de ouro por pão e água, o que há de mais essencial na alimentação e vida do ser HUMANO.

Queria terminar com uma frase mais bonita, mas não encontrei palavras, só me resta mesmo é indignação.

“Fazer o bem sem olhar a quem”, algo que muitos dizem, mas poucos vivem!

 

Patricia Grah, 24 de setembro de 2013

Esse post foi publicado em Prosa e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Aproveitando-se do caos (Patrícia Grah)

  1. Humano também é o que se refere ao que não é divino.
    A tua proposta é adjetiva, mas não necessariamente pertencente ao ser (bicho) humano.
    Que é terrível, não resta dúvida, a rigor faz parte da história da humanidade muito mais descaso do que assistência. É um dos poucos animais que matam suas crias, escolhem seu parceiro por razões torpes e por aí vai.
    Querer que todos sejam humanos no seu sentido adjetivo é uma bela utopia que não vejo quando alcançaremos.

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s