Amizade (Patrícia Grah)

Olho ao meu redor e o que vejo são nada menos que fragmentos do meu passado.
Amigos… Ah, os amigos! Que momentos incríveis passamos juntos à eles!
Uma pelúcia recebida como presente de aniversário há alguns anos conta uma história, assim como aquele livro, já amarelando e datando outro momento, conta outra. O porta retrato, recebido por outro, marca um momento único que é relembrado com certa frequência por estar sempre à vista. Um CD conta outra história, um enfeite lembra outra e junto à isto, é inevitável sentir uma certa nostalgia, que se mistura à saudade, que se junta às lembranças de um tempo que não volta mais: dos choros, dos risos, das festas, das discussões, das brincadeiras, dos abraços… Pois mesmo que o tempo passe e a amizade perdure, ela jamais prosseguirá igual. Haverão sempre altos e baixos e sua importância poderá ser ponderada por terceiros.
Por hora, sofremos por nossos amigos, compramos brigas até mesmo supérfluas por eles, e por via, nos decepcionamos por não sermos correspondidos da mesma forma. Mas a questão é que a amizade é um amor imensurável e cada um o sente em uma feição única!
Sofro pelos meus, sinto  coração doer ao vê-los sofrer. Prefiro a honestidade em primeiro lugar, porque a verdade sempre prevalecerá.
Mas uma coisa é certa: se a amizade for verdadeira, ninguém e nem o tempo irão apaga-la! Afinal, como dizia Mário Quintana: “A amizade é um amor que nunca morre!”


Que assim seja!
Esse post foi publicado em Prosa e marcado , , , , . Guardar link permanente.

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s