Em tempos de piratas (Sônia Pillon)

“Renda-se ou morra!”. A temível bandeira com a caveira e as duas espadas cruzadas tinha um recado claro e direto às embarcações que navegavam pelo Mar do Caribe. E a chegada do navio pirata comandado por John Terrible sempre causava pânico. Relativamente magro e de estatura mediana, John Terrible tinha cabelos longos e negros, presos em um rabo-de-cavalo, uma barba comprida e aparada, e grandes olhos castanhos.

O terrível pirata caribenho era reconhecidamente vaidoso, tanto que surrupiava os trajes dos nobres quando invadia os seus barcos. Para os padrões do século 18, era considerado um homem bonito e atraente, e fazia muito sucesso nas tavernas dos portos por onde atracava, seja para se abastecer de provisões, ou promover seus “negócios”.

Astuto, tinha um olhar frio e penetrante. Implacável tanto com a marujada, como com seus inimigos. Nos saques que realizava, principalmente nos navios espanhóis, franceses e ingleses, além de ouro, prata e jóias, costumava raptar as mulheres das quais se agradasse, fossem senhoras, ou donzelas… E depois de fazê-las prisioneiras, usava de seus artifícios de sedução para conquistá-las e transformá-las em piratas também. Reza a lenda que poucas resistiam ao seu charme, apesar dele ter o que se poderia chamar de “um coração de granito”… E se por acaso não se agradasse, ou se cansasse de alguma delas, ou ainda fosse rejeitado, dava ordem para os marinheiros as jogarem ao mar…

Rico e poderoso, John Terrible foi por mais de duas décadas caçado pelas monarquias que pilhou. Nesse período, o “Senhor das Águas Sombrias” pintou e bordou, ou melhor, assaltou e se refestelou com sua tripulação após as pilhagens. Promovia festas e banquetes memoráveis, sempre regados com muito rum.

Mas os seus dias de crimes impunes chegaram ao fim quando finalmente a sua embarcação, “Terror dos sete mares”, foi rendida em uma emboscada na Jamaica. Preso e condenado à forca, John Terrible foi conduzido por um carrasco para ser executado em uma grande praça. Causava espanto o grande número de mulheres no local, aos prantos…

_ Ei, Samuel, acordaaa! Já são 7 horas, homem!
_ Ai, Raquel, logo agora que ia acontecer o enforcamento do John Terrible!
_ Ha ha ha. É isso que dá ficar assistindo filmes de piratas antes de dormir… E pensar que hoje existe o Partido Pirata, que nasceu na Europa e tem até candidato brasileiro concorrendo ao Parlamento Alemão…
– É mesmo! É um tal de Fabrício do Canto, que adotou o apelido de “Infiltrado”, um gaúcho radicado na Alemanha que quer revolucionar a forma de se fazer política por lá… E esse partido já existe também no Brasil! Ah, piratas!…

Samuel se arrumou rapidamente. A realidade o estava chamando. Não queria chegar atrasado ao trabalho, mais uma vez…

Sônia Pillon, Jornalista e escritora.
@Soniapillon

Esse post foi publicado em Prosa e marcado , . Guardar link permanente.

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s