Cavidade (Marcio E. Ochner)

Diante do previsto,
sai e não retoma…
paralisado,
pouca coisa se vê,
quinhão prolífero,
fragmenta-se em cores,
tomam corpo,
nada dizem…

Arremessa-se a desistência,
Causam dor,
Troca repentina de foco,
rende-se a inércia…

Convulsão muscular,
atalho acidentado,
foca sua extremidade,
no bolso outra superfície
amontoado de matéria,
corre a lingueta ,
abre caminho,
indolente momento,
nasce a lembrança,
atrasado…
peça que se fecha,
dispara…

Marcio E. Ochner

Esse post foi publicado em Versos e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Cavidade (Marcio E. Ochner)

  1. inacio.carreiga@gmail.com disse:

    Marcio,
    obrigado pela surpresa da dúvida, pelas metáforas, pelas frases curtas e instigantes…
    Surpreendente.
    Abraços.

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s