Nascemos ou nos tornamos humanos? (Patrícia Grah)

 meninas1.jpg

Foi esta a questão que, no trânsito, levantei outro dia analisando o comportamento de um “humano” à minha frente, o qual irei narrar resumidamente:

Estávamos em uma rotatória. Em um carro, meu noivo e eu, a nossa frente um segundo carro e frente à este uma moto. Sentido contrário, um outro veículo surge muito rapidamente e  corta a frente da moto, que estava na preferência de transitar. Por muito pouco não bate e sabe-se lá Deus que tragédia não teria acontecido se analisada a velocidade do tal carro.

O motociclista, obviamente muito nervoso e assustado com o acontecido, resmungou alguma coisa e buzinou para aquele ser “humano” que quase acabou com seu dia, sua moto e talvez até… Enfim! Sendo assim, o motorista do carro que além de ter feito uma baita “cagada”, parou, desceu e partiu para cima do homem da moto que, por sorte foi mais ágil e conseguiu sair correndo pelo acostamento. Então aquele “humano” estressado embarcou e saiu queimando, cortando todos pelo acostamento atrás do homem da moto e até hoje fico com medo de imaginar o fim desta história…

Agora volto à questão: Nascemos ou nos tornamos humanos?

Muitas são as teorias e muitos osestudiosos que estudaram e defenderam – e defendem – seus pontos de vista perante este aspecto. Confesso que estudei, na época da faculdade, algumas delas, as quais não vem ao caso discutir aqui, mas mesmo concordando com algumas que contradizem a minha conclusão, só posso acreditar que “- Nos tornamos humanos!”. Porém, algumas pessoas, independente da cultura, nível social ou crença, parecem nuncaconseguir chegar à este estágio da vida (se tornar um verdadeiro HUMANO), se comportando como animais selvagens que não vivem, apenas lutam pela sobrevivência, não se importando com o próximo e não trabalhando o seu interior para serem alguém melhor!

Sei que, felizmente, a grande maioria das pessoas que irão ler este texto, são pessoas bastante cultas e sensatas, portanto, jamais agiriam como aquele homem (que nem sequer quis refletir sobre o fato de o errado ser ele próprio, nem pensar que o cidadão da moto deve ter uma família a qual poderia estar vindo do trabalho que a sustenta e que este, quem sabe se tratava de uma pessoa de bem). Mas infelizmente, algumas destas pessoas fariam o mesmo, pois sabemos que aquele acontecimento é somente um pequenino número no percentual de tragédias causadas por falta de tolerância em nosso dia a dia, por pessoas que agem no calor da hora, sem raciocinar, considerando apenas a emoção, e não a razão– infelizmente!

Que nós todos, por mais que nos consideramos pessoas de bem, paremos de vez em quando, especialmente “no calor da hora” para refletir sobre quem somos, e quem queremos ser! Sendo assim sejamos mais HUMANOS, respeitando o próximo, respirando fundo quando algumas situações fugirem do controle e nos fizerem perder o norte, olhando por outro prisma e não apenas pelo nosso, tratando nosso semelhante como gostaríamos de ser tratados.

Esse post foi publicado em Prosa e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Nascemos ou nos tornamos humanos? (Patrícia Grah)

  1. Tiago disse:

    Sem querer adentrar ao debate, mas devo concordar: humanidade se faz, se cria e se inventa. Ninguém nasce pronto, as ocasiões fazem os “ladrões”…
    Profundamente interessante o seu texto.

  2. Inacio Carreira disse:

    Esta discussão/ reflexão vai longe… Mestrado, no mínimo… Parabéns por levantar o tema, sempre necessário…

  3. Patricia disse:

    Obrigada meus queridos! Achei – e acho – mesmo interessante levantar questões cotidianas, afinal o que se vive é o que mais importa! Beijos!!!

  4. Falar sobre o cotidiano é uma das coisas mais difíceis que tem, sem se tornar piegas, ou predatório.
    E, infelizmente, ao concordar que nos tornamos humanos, agrego que esta humanidade colocou sobre ela o encargo de se responsabilizar por sua condição, o que, decididamente, não faz.
    Somos adolescentes em termos de Humanidade: queremos o brinquedo (carro, moto, have, piscina e por aí vai), mas não queremos ter que cuidar deles e nós dentro deles.
    Falta muito… Falta muito…

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s