Esse cara sou eu! (Inacio Carreira)

Nada a ver com o sucesso daquele septuagenário que (ainda) faz a cabeça das senhoras de cabelos azuis… Para provar isto, ou até para demonstrar independência quanto a mitos, ritos, superstições, vestia-se de marrom: a cor da morte, diziam uns, a cor da terra, criação e absorção da vida, apontavam outros. Ele, indiferente, não dizia nada, apenas era.

Era marrento: se pensava em algo ia em frente, lutava para conseguir seus objetivos. Às vezes batia com a cabeça na parede, mas não se abatia, tentava novamente, e novamente, até conseguir. Ou tomar, de uma vez por todas, consciência de que aquele não era seu melhor caminho.

Caminho, para ele, era o Tao. Ou melhor, Tao é o caminho. Nesse caminho, um dos princípios é que “você sempre receberá o que você quer, ou o que teme. Seu subconsciente legitimamente determinará que energias, experiências e pessoas você atrairá; portanto, o único meio infalível para saber o que você quer, ou teme, é ver o que você tem. Não há vítimas, apenas estudantes das Leis Universais”, lia sempre.

Sempre pensava, também, no paradoxo de dizer-se independente de mitos, ritos e superstições mas estudar o Tao. “Filosofia”, dizia aos amigos. Aos outros, se dissessem alguma coisa, ou melhor, se ele permitisse que dissessem algo, a indiferença era a resposta. Devia, ele, satisfações para alguém? Como dizia o texto que lhe embasava a vida, ou quase, “o único meio infalível para saber o que você quer, ou teme, é ver o que você tem”. Sobre isto refletia muito.

Muito provavelmente apegara-se a essa, para ele, filosofia, quando se desencantara do mundo, das mentiras do mundo, sabendo-se pensante (“logo existo”, refletia) e participativo. Direita, esquerda ou centro? Sei lá… “Deixa a vida me levar…”, dizia, sendo contestado por várias pessoas, importantes para ele e para quem, logicamente, dava crédito. Embora, por ser marrento, muitas vezes não demonstrasse, até brigasse para manter suas convicções.

Convicções à parte, naquele dia ele acordou mais tarde, não sabia – no momento de acordar, obviamente – qual o dia da semana. Parecia-lhe domingo, mas não, domingo seria depois de amanhã, isto tinha em mente por causa do passeio agendado. Parecia-lhe domingo pela noite que tivera ontem, típica de sábado, sair para jantar… Lembrou: era sexta, claro, devia ter se dado conta disso quando refletiu que “domingo seria depois de amanhã”… E a noite de quinta-feira fora especial.

Especial como ele nunca pensou. Melhor dizendo, pensava, sim. “Seu subconsciente legitimamente determinará que energias, experiências e pessoas você atrairá”, ele sabia isto, estudava isto, procurava viver dentro dessa filosofia. Até a palavra “amor” foi dita, de forma unilateral, mas, foi. Ele aprendia a cada aproximação e agora tinha a confirmação de que a famosa Lei do Retorno valia, sim. Quantas vezes a ele foi endereçada a palavra diante da sua indiferença? Agora era a ocasião dele absorver indiferenças.

Indiferenças, diferenças, mesmices: todas facetas da vida, do teatro da vida. Embora no ano passado, esta história começou há pouco. Não sabe aonde chegará, mas não importa. O caminho é bom ou ruim, dependendo de como façamos a viagem. E a dele estava apenas começando…

Começando, mesmo, era verdade que não. Entretanto, com a sabedoria que ousava acreditar ter acumulado ao longo da existência (que viu os primeiros acordes daquele “cara”), vivia cada dia per si. Já havia por muito tempo perdido a cabeça, procurando-a nas paredes e encontrando dores. Agora, a vida que prometera a si mesmo seria diferente. Mais introspectiva, talvez, com mais espaços para reflexão, menos angústias. Aproveitar o momento seria o termo certo.

Certo ou errado, cantarolava – inadvertidamente – o refrão que às vezes enchia o ambiente e, sua paciência, a todo momento…

Inacio Carreira

Esse post foi publicado em Prosa e marcado , , . Guardar link permanente.

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s