Só caminhando ou, também, cantando. (Adriana Niétzkar)

Não se encantar por quem não se encanta por você. Repete a mente, o mantra que criou. É simples, é saudável,é racional. O coração não é. O coração é um cavalo selvagem atrelado a carruagem da mente. Pode-se segurar as rédias com firmeza e seguir a direção em que se quer. Mas se o condutor-mente se distrai, se olha a paisagem, o cavalo dispara. Alguns aprendem cedo, com o primeiro feitiço a como guiar a carruagem do amar e até desviar os olhos do caminho sem perder o controle; a direção. Mas sempre há sons e sabores que fazem esquecer das rédias deslizando das mãos, enquanto o cavalo dispara. Quando aquele que conduz, sem pensar para que lado o galope o levará, sente o vento nos cabelos vive um instante que é só coração. E quando o cavalo para, por um instante mente e coração, homem e garanhão, se reconhecem pelos olhos. Até o condutor, com mãos firmes, retomar o caminho racinalizado, ignorando o desejo de soltar as cordas e montar em pelo; em galope contra o vento. Mas quando isso acontece, quando a mente deixa-se levar na disparada do coração, nasce um poeta.

Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa, Versos e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Só caminhando ou, também, cantando. (Adriana Niétzkar)

  1. Vana disse:

    Que linguagem direta e, principalmente, limpa. Nem por isso distante da poesia e do sentimento.

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s