Sombra e destino (Marcelo Lamas)

Desde menino fui perseguido pela sombra do meu sobrenome no futebol da cidade que nasci. E este virou nome de guerra, pois havia uma safra muito grande de Marcelos no colégio – na mesma sala éramos 9 – e assim, desde cedo fui chamado pela alcunha originada entre a Galícia, no interior da Espanha e Portugal. Como o meu pai e os meus tios tinham sido futebolistas conhecidos, quando algum transeunte ouvia meu sobrenome, me questionava: “Tu és filho do Lamas? Jogas futebol como ele?”.

Relutante, eu evitava participar dos jogos temendo não corresponder às expectativas. Só aceitei entrar no time da sala para jogar a Gincana de 1985, porque não tinha goleiro. Dali para frente passei a ser o arqueiro da escola e ficava na reserva da equipe da empresa que meu pai trabalhava.

Depois de alguns anos, tive que mudar de posição, pois a minha estatura era bem menor que as dos outros goleiros. Então passei a jogar de zagueiro e até hoje jogo futebol com meus amigos na retaguarda.

No final do ano passado fui assistir a um treino do Museu EC, clube de veteranos que meu pai frequenta e que tem maioria sexagenária. Como estava muito quente, faltou gente para jogar e fui escalado para ficar de goleiro.

Consegui a proeza de tomar 10 gols, sendo o último por cobertura.

Ao longo da minha carreira esportiva tive derrotas, aprendizados e fiz inúmeras amizades.

Também tive boas vitórias, inclusive naquela Gincana do colégio em 1985, que teve a minha modesta participação. Ao final daqueles jogos ocorreu um inesperado empate na somatória dos pontos das várias modalidades (corrida do saco, cabo de guerra, corrida do ovo, caçador, futebol, vôlei, entre outros). Às pressas, pois a noite chegava rapidamente naquele inverno do extremo-sul do país, os professores acharam um jeito de definir a sala campeã.

E eu fiz a redação que desempatou a gincana.

Desde lá, não sei definir qual dos dois esportes é o meu favorito.

Marcelo Lamas, autor de “Mulheres Casadas têm Cheiro de Pólvora”.
marcelolamas@globo.com
Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Sombra e destino (Marcelo Lamas)

  1. Vana disse:

    Contos paralelos… Isso que fizeste. Preciso pensar uns 3 dias para estabelecer a mensagem subliminar, mas espero que tal proeza difícil te faça marcar mtos gols pq vale a pena.
    Dentro de ti: os gols de literatura não precisam de pernas, precisam de “pernas”.
    Bjs

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s