Futura Mente (Vana Comissoli)

– Apenas uma queda de pressão.
Sorri, afinal já tinha acontecido tantas vezes. De repente a cortina se fechava, as pernas bambeavam enquanto as glândulas sudoríferas bombeavam a todo suor.
Mas desta vez…

Uma floresta negra, A Floresta Negra! Quase na fronteira com a França. O cuco cucando relógio ao fundo, enquanto riscas de alemão corrigiam: Schwarzwald. Ok, que seja em sua língua mãe, tem direito, assim a floresta é mais negra.
As árvores, colunas góticas, furam o céu, onde céu nem se vê mais. As copas são grossas cortinas fechadas. Suas raízes existem em dois níveis que me tonteiam:
As que entram terra à dentro e posso acompanhar até perder o fôlego, sufocado pelo calor e os gazes vulcânicos. Aí fincam suas coifas famintas reproduzindo células e mais células até que eu não saiba mais de onde veio o quê. Não consigo entender como a fornalha da terra as alimenta em vez de matá-las inexoravelmente. Procuro a visão fervente e encontro o vazio.
As superficiais, dando aparente equilíbrio. Retorcidas, bulbosas, arroxeadas. Vez em quando explodindo hematomas-geiseres de sangue. É nessas que tropeço a cada passo. Caio, levanto e ando em círculos até criar uma trilha de alívio. O alívio vem do fato que pisoteio tanto o mesmo lugar que acabo me acostumando e não me assusto mais.
Nesta floresta é sempre noite. Explodem fogos fátuos violentando o escuro para alumiar buracos, troncos vencidos, tocas de susto. Restam luminescências que previnem meus tropeços. Há corujas também, de tempos em tempos ouço seus pios. Dizem que é sabedoria, em mim provocam arrepios.
O lugar é conhecido por ser de mau agouro, sombrio e misterioso. Muitas lendas e histórias macabras são creditadas a esta floresta. Vejo os fantasmas arrastando os lençóis em lúgubres uivos rosnados.
Ando por aqui procurando amoras para fazer uma torta que nem conheço, mas sinto o doce na boca. As silvestres são as melhores, tem o sabor de nossas mãos com um pouco de sangue onde espinhos vociferaram. É meu desafio, transformar o pavor escondido na floresta numa bela torta que comerei de garfo e faca e beberei, em homenagem a mim, um cálice de fino champanhe rosado.
Os caminhos se tornam mais intrincados. O chão é instável e pedregoso, não consigo ter certeza de onde e no que piso. Às vezes cheira à flores silvestres e outras, improváveis, criadas em finas estufas. Ainda outras, um odor nauseabundo de fossa servida, putrefação. Talvez haja um pântano nas proximidades.
Mistérios sonâmbulos que me parecem familiares apesar do medo que sinto em revelá-los.
Por momentos um resquício de raio solar corta o emaranhado das copas e penetra na escuridão. Por que não o sigo voltando para o agasalho de minha casa? A torta será tão importante assim? Se não tiver a receita ficará algo intragável. Não lembro se sei os ingredientes toso e muito menos o modo de fazer.
A coruja pia, seu soar se decifra em urgências de ficar, minha casa está desabando, de qualquer modo choverá em mim. Ficarei por aqui, de alguma forma esta floresta tenebrosa me seduz e me chama.
Eu não tinha sono, mas também não sabia há quanto tempo caminhava. Podia ser um dia, uma hora ou apenas um minuto. Talvez devesse descansar. Talvez devesse tentar qualquer coisa que me fizesse parar.
Procurei algum canto protegido para deitar-me. Foi quando ouvi o rugido. Estremeci. Dentro da floresta houve agitação de pássaros, corridas de animais menores, percebi que algo se aproximava e vinha com destino bem decidido: eu. É minha hora, pensei, servirei de pasto às feras.
Imediatamente meus sentidos reagiram, não queria saber de Tanatos na minha cola.
O monstro apavorante e armado de estranha espada apareceu entre as árvores e arrepiei. Lutaria por minha vida. Imediatamente prostrei-me. Não teria forças, ele era grande demais, cruel demais.
Quando estava sobre mim, a bocarra aberta, enxerguei seus olhos de horror e os reconheci. Eram meus olhos. Estarrecido e abandonando a defesa, examinei: o monstro era eu transformado, tinha muito menos anos, muito menos resistência, mas era eu. Como poderia comer a mim mesmo?
Ele atacou, me esquivei e lutamos por tempo infindável. A cada estocada que me atingia eu ficava mais fraco, recolocava a arma em sua mão para que voltasse a me ferir.. Meu corpo se reduzia a quase nada e eu pensava o mesmo que o monstro pensava: destruir… destruir…
Destruir? Só havia eu para ser destruído! Estava ordenando que destruísse a mim mesmo? A cabeça começou a rodar, a pressão caiu. Essa minha pressão… Cai quando mais preciso dela.
Brilharam vaga-lumes, fiquei sabendo que a noite chegara. Sua luz era um quase nada em meio à escuridão, mas me deram um alento. Faziam vôos incríveis sobre mim e pousavam em meu corpo. Tinham mensagens de seres mágicos, deduzi, ao pousarem no monstro ele se encolheu… Encolheu. Quando vi não passava de um menininho chorão que me despertou muita pena. Tão indefeso… A seu lado uma fantasia inflável de monstro esvaziava mostrando sua insignificância.
Respirei aliviado, tinha certeza que este monstro não mais me ameaçaria. Nem monstro era! Teria sido criado por mim? Isso não me pareceu importante. Estava acabado e resolvi continuar procurando as amoras. De dia ou de noite, aqui isso também não importava e estava decidido a fazer minha torta especial
Atravessei as árvores caminhando a esmo e vi ao longe uma luzinha. Então existia mesmo uma casa de bruxa na floresta? Não me deixaria enganar. Que fosse feita de confeitos! Bem sabia que a proprietária não era nada doce.
A senhora estava à porta quando me aproximei. O aroma de seus cabelos chegou a mim antes que pudesse ver seu nariz torto, tinha certeza que era torto, pontudo e com verruga. Na certa tirara o chapéu preto e cônico. Era um odor suave carregado de lembranças, tinha cheiro de bebê sendo amamentado. Isso me desconsertou, não estava preparado para este tipo de engodo. Aproximei-me.
Minha mãe sorriu para mim e me convidou a sentar:
– Deves estar cansado, meu filho, vem, estava te esperando.
Minha santa mãezinha morando neste lugar?
Em seguida enxerguei seu relho e corria atrás de mim me chamando de malandro, espirocado e outros nomes que pensei ter esquecido. Deixei que me alcançasse e me batesse até minhas costas não aguentarem mais e o sangue escorrer, pedaços de carne machucada se desprendiam.
– Mamãe, mamãe, eu preciso tanto de ti! Não me bata, me pega no colo!
Parecia que isto lhe dava mais raiva e brabeza, recrudesciam as chibatadas.
De novo Tanatos espiou. De novo reagi. Por que estaria sempre escondido atrás dos seres da floresta? Não haveria de me levar. Não ainda.
Voltei para minha mãe com os braços cobrindo a cabeça para que seu relho pegasse em lugares mais resistentes, menos mortais. Seus olhos estavam extremamente tristes e ela não tinha relho algum, tinha cansaço e uma meninice estampada na face. Abraçou-me.
Todo o frio saiu de mim e pude, pela primeira vez, receber seu afago verdadeiro que curou imediatamente minhas feridas. Beijou-me dizendo:
– Meu filho, agora estás pronto para seguir. A floresta é imensa e muitos outros animais te assolarão, sempre existe mais um, mas olha para trás, pelo caminho por onde chegaste aqui.
Para minha surpresa havia ainda floresta, tinha desejado que não. Era uma floresta muito diferente, as árvores também subiam ao céu, porém as estrelas brilhavam lá no alto e a lua clareava tudo. As sombras não desenhavam galhos retorcidos como garras, mas estradas abertas, seguras.
Podia parar aqui e voltar, não me perderia. Sem amoras?
De dentro da casa de minha mãe saiu circunvolusionando um delicado cheiro de torta de amoras. Fiquei feliz, com certeza minha mãe me daria a delícia e eu não precisaria mais andar na floresta que ainda me amedrontava. Pedi na certeza da aquiescência.
– Não filho, esta torta é minha. Entrei na floresta e colhi as amoras, se eu te der ficarei sem nada e tu terás nada para comer. A fatia que te cabe já comeste. Tens que buscar tuas próprias amoras e fazer a tua torta.
Ia me irritar, bater o pé fazer manha, deixar o coração ficar ferido. Era este o costume, depois carregaria para sempre a imagem da rejeição. Antes que eu começasse ela sorriu e fez um gesto que mostrava quão seria inútil e como só a mim perturbaria.
Despedi-me, ela beijou-me dizendo como sempre estivera à minha espera e como sempre estaria. Podia voltar quando quisesse, cada um comeria sua torta com prazer e repartiríamos pedaços. Explicou-me que só quando temos nossa própria receita é que podemos partilhar algo realmente doce.
Segui ainda olhando para trás por um bom tempo. O próximo monstro foi menor e o outro muito estranho, não me lembrava ninguém, mas era menor ainda. Caminhei penetrando cada vez mais à floresta e ela não era tão ameaçadora apesar de continuar não a conhecendo.
Cheguei numa nova clareira, havia muitas, lá pela terceira que encontrei tive certeza disso. Nesta havia uma frondosa amoreira e em galhos ao meu alcance se penduravam as mais belas amoras que já vi.
Era hora de voltar. Finquei uma bandeira colorida no chão, sabia que estaria ali novamente e deveria marcar onde começaria o desconhecido que era enorme, mas não me punha medo. Os monstros, o desconhecido, as bruxas, os duendes malvados, todos poderiam caber no meu bolso se assim eu decidisse e a cada um que diminuísse estaria apto para conhecer a floresta, pelo menos um bom pedaço, até que encontrasse Tanatos sorrindo e não rosnando para mim.

– É a pressão, caiu outra vez!
Esses médicos são tão bobos! Mas ela não cairia mais, sabia que entrar na floresta não precisava ser de joelhos.

Vana Comissoli

Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa e marcado , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Futura Mente (Vana Comissoli)

  1. Adorei seu conto Vana, uma grande lição de vida…
    …cuide-se bem, sem mais quedas de pressão… risos!
    Abraços, Marcio.

  2. Vana disse:

    A pressão não caiu mais, eu caí!
    Pintando portão, descendo de costas, tralhas da vizinha no corredor…
    Mão de apôio, logo essa esculhambada?
    Me lembrei do bom tempo que morava em casa rés-do-chão.

  3. inacio.carreira@gmail.com disse:

    Rainha da Palavra,
    mais uma vez parabéns [e muitíssimo obrigado] pelo belo presente de Natal.
    Psicanálise pura… Tanatos, fiel da balança, disputando-nos com Eros.
    Ying e Yang, Bem e Mal, Castigo e Gozo, Crime e Recompensa.
    Dualidade, Janos espreitando-nos neste final de ano.
    Deusa das Duas Caras, Janos de saias, trazes a originalidade como bem maior.
    E nós, agora ainda mais de joelhos, agradecemos.
    Abração.

    • Vana disse:

      Nossa, Nacho!
      A intenção era realmente essa. Até pq para Jung, a floresta é símbolo do inconsciente, mas tua crítica me deixou… sei lá… até constragida. Não sei se é isso tudo não. Aponta as ressalvas, please, elas são quase + importantes para mim que os acertos.
      Sabes que considero os apontamentos como luz no que escrevo.
      bjs e bjs

  4. inacio.carreira@gmail.com disse:

    Where to seek qualification, dear?
    (viva o google tradutor hehehehehe)

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s