Primavera (Márcio Erino Ochner)

Nas desbotantes folhas do ipê roxo…
dá-se a primavera…
…em seus secos galhos o companheiro inseparável…
…o cantarolante sabiá…
…que avisa o passear do tempo.

Tempo que grita ao vento… que de longe se vê…
…nele, uma estrada vazia…
…de insistente rumo ao oeste…
de pés enterrados na vermelhidão horizontal…
…pequenas formas coloridas que espargiam um cheiro agradável.

no trânsito, verdejantes moitas parecem ter mais vida,
insistentes, dividem espaço entre lenheiros desfolhados…
…disputando o sol… que nota-se mais pálido na primavera.

Anúncios
Esse post foi publicado em Versos e marcado , . Guardar link permanente.

4 respostas para Primavera (Márcio Erino Ochner)

  1. Vana disse:

    Deliciosamente visual. Posso ver as flores lilás dos jacarandás atapetando as ruas. Uma poesia fina como raio de sol que entra pela fresta da janela.

  2. Tiago disse:

    Lindo. Traz todo o cenário dessa bela estação. Pena que ela só tenha chegado no nome ainda…

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s