Fechando o Verão… (Inacio Carreira)

“Amou daquela vez como se fosse a última”, alerta a música popular. Foi o que ele fez, sempre fazia isto, tanto porque nesta vida não se tem certeza de nada quanto por, sempre, procurar dar o melhor de si. Fazer com que sua companheira quisesse repetir a experiência mais uma vez, e outra, e ainda mais tantas. Muitas. Um sorriso malicioso iluminou seu rosto.

Não fosse essa danada chuva e tudo ficaria melhor. Ainda é março, mas o verão já foi, hoje é outono e o tempo não sabe disso? Ou Tom Jobim é que ignorou, dando-se licença poética para escrever a letra? “Águas de março fechando o verão…” que nada. Parece que estão, sim, essas águas, abrindo a temporada de resfriados, pneumonias, maruins, dengue… e da venda dos baratos e efêmeros guarda-chuvas de 4,99 real.

Sim, sim, a terra precisa ser molhada, o historiador grego Heródoto dizia que o Egito – um longo e estreito oásis – é (era) uma dádiva do Nilo. Agora viajei longe… Egito… As coisas para eles não estão bem, também. Nem no Japão. Nem… porra, o mundo todo está uma merda… Com tendências a piorar. Será que foi mesmo a última vez que fiz amor? Tem séria possibilidade de ser, sim… Afinal, saio para a rua e tenho que enfrentar enchentes, trânsito parado, assaltos, enxurradas, barreiras… Não só o homem está em guerra, a natureza também está em guerra contra o homem.

Desvia daqui, pula ali, escorrega, levanta… Parece que estava sendo filmado numa dessas abomináveis pegadinhas que infestam tudo, da televisão à internet. Pegadinhas… Ele gosta de pegadinhas, sim, mas de outro tipo. Novamente a lembrança da mulher, que tem a felicidade de poder ficar um pouco mais na cama, ninho que ainda deve conservar o calor que irradiaram: trabalha somente à tarde, se voltar cedo passa pelo serviço dela. Passa? Já não sabe mais.

Das ruas sobe um cheiro nauseante, misto de cemitério e latrina, água parada e esgoto, lixão e beira de linha de trem. De que adiantou tomar banho? Essas partículas vão grudar em sua roupa, seu cabelo, entrar em seus pulmões mais do que as partículas subatômicas que os técnicos insistem não apresentarem perigo à vida.

Viajou novamente. Mais longe, ainda. Que bom seria “erguer no patamar quatro paredes sólidas”, com o perdão de Chico Buarque, isolar-se do mundo e esperar a poeira baixar. Mas não dá. A vida é pra ser vivida, será que alguém disse isto? Se não disse, ele inaugura a frase. Parece boa. Divagar, divagar… Ter que andar rápido e, ainda assim, divagar. Para não pirar. Não marear. Não chorar. Não voltar correndo e se enfiar embaixo da cama, talvez o único lugar na casa, se não cair muita coisa em cima.

Porque foi pensar isso agora? Não consegue prosseguir, volta correndo para verificar. Lembrou que perto, bem perto, viu viaturas da Defesa Civil. Bombeiros. Mutirões. Os versos do “amou daquela vez como se fosse a última” não saíam de sua cabeça. Premonição. Pesadelo. Peste de coisa ruim que é pensar, pensar, pensar…

Ao chegar ao que fora sua casa, entra nos escombros em busca da companheira, é difícil se orientar, tudo fora do lugar, lugar fora do lugar, lutar contra o quê? Buscava, demente, a lógica dos desenhos dos tijolos, dos blocos, dos azulejos… No que fora o quarto do casal, um ruído seco desvia. Busca-se no avesso do espelho e não se vê.

Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Fechando o Verão… (Inacio Carreira)

  1. Vana disse:

    O que dizer? Um palavrão cairia bem: puta que pariu, bom prá cacete!
    Sou educada, não falo estas coisas, penso em Caio Fernando Abreu e repito com respeito:
    “E depois: no fundo do poço do poço do poço do poço você vai deascobrir quê.”
    E talvez pense em Maysa e seus olhos de mormaço, cantando em soluços:
    “Meu mundo caiu e me fez ficar assim…”

  2. Fred Paiva disse:

    assim me sinto… amei daquela vez e foi a última.

  3. Sônia Pillon disse:

    Amar como se fosse a última vez, sempre, porque o hoje é presente e o futuro é incerto…

  4. Nao importam os dentes o importante mesmo e que estao lhe dando um equino trotador!.Mesmo que voce nao goste que o portugues soe esquisito quando cantado ou que pior ainda seu pai e sua mae gostem desse tipo de musica os caras sao reverenciados no mundo inteiro alguns sao ate mais respeitados que as bandinhas obscuras que voce orgulha de seguir no Facebook..Entao pra esculachar de cara vamos com um dos maiores letristas da MPB CHICO BUARQUE!. Fazer o inimigo cair e manda-los novamente para o para o buraco e para de ver cobrir para que o ele nunca mais venha a cuspir tal maldade.

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s