NOITE (ou AO VIVO DE UM QUARTO QUENTE E ABAFADO) (Fred Paiva)

enfim
nem tomei banho ainda
só de manhã
e to de sapato desde de manhã
comecei a assistir cinema, aspirinas e urubus
mas não gostei, lento
mas vou terminar de assisti-lo
depois
na real queria tomar uma cerveja
e dançar um pouco
e ver gente
e sentir a brisa fresca do ar condicionado nas costas
me resfriando
as narinas, claro

pulei
pronto
e caí de cabeça
num cocozão de cachorro, fumegante
um cocozão de cachorro quente
aqui tá quente e tá foda
vou abrir a janela
e derrubar água na goela
você me mata e uma súbita inspiração bateu na porta
era o amigo chato
do namorado
do vizinho
do andar de cima
numa hora dessas?
isso me mata
me rala a paciência e mói os miolos
no sábado à noite sem nada
sem nata sem pão

– Não, não tenho açúcar!
nem sal
nem saco de aguentar mais uma madrugada no msn
com a cam desligada
ponto final

Anúncios
Esse post foi publicado em Versos e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para NOITE (ou AO VIVO DE UM QUARTO QUENTE E ABAFADO) (Fred Paiva)

  1. inacio carreira disse:

    parabéns, Herr Paiva, você saiu (há muito, há muito) da trilogia maldita “flor / amor / dor”, herança (também maldita) dos “românticos”.
    abração.

  2. Vana Comissoli disse:

    Que linguagem moderna! Que nova visão para uma noite de insônia!
    Dinâmico, contagiante.
    Deus me livre de uma noite dessas.
    ESPETACULAR.
    Parabéns, adorei.

O que tens a dizer sobre o post?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s